sábado, setembro 24, 2016

(a) Riscar o Património 2016 | Fenais da Luz

A 3ª edição do (a) Riscar o Património em São Miguel ocorreu, antecipadamente, a 11 de setembro para se integrar nas Festas da Senhora da Luz | FENAIS DA LUZ, freguesia do Conselho de Ponta Delgada. 


Esta edição do (a)Riscar coincidiu com o 18ª Encontro USk PORTUGAL Açores e começou com uma oficina de iniciação ao desenho em cadernos. Encontrámo-nos no Centro Cultural de Fenais da Luz. A entrada de luz na sala dificultou a projeção de imagens e tivemos de improvisar, parece que foi melhor assim porque passámos diretamente à práticaonde se lançaram alguns exercícios que visavam o melhoramento da observação e segurança na escrita...

Os mais novos estiveram empenhadíssimos...


Depois de concluirmos os trabalhos dirigimo-nos ao núcleo museológico onde nos presentearam com algumas iguarias locais. Almoçámos e estivemos um bom bocado à conversa. A receção aos USk  foi muito afável e acolhedora. Fizemos uma visita guiada com histórias contadas a acondicionar os objetos, algumas destas hitórias apelam para a necessidade de se fazerem registos sonoros que possam um dia mais tarde perpetuar saberes e costumes que tendem a desvanecer-se.





















 


Alguns foram embora a seguir ao almoço e os que ficaram começaram a desenhar os preparativos da procissão da Senhora da Luz...



Dirigimo-nos ao centro, o largo estava perfumado com um forte cheiro de vinho doce que se misturava com o de outras frutas. As pessoas começaram a juntar-se...



O Largo da igreja preparou-se para a procissão, a festa desenvolveu-se em duas camadas (profana e religiosa), mas o importante é que as ruas se revestiram de flores e todos ajudaram (até os nossos mini sketchers participaram) na feitura dos tapetes.
O ar estava perfumado com essências diversas. Identificava-se o aroma do vinho doce misturado com o das frutas que por ali proliferavam em pequenas bancas improvisadas.



Enquanto o centro se apressava,  o «bairro» - um pouco mais afastado -  também se enfeitava para receber a imagem com devoção. O esmero e preceito foram convocados pela recente conquista  que todos fizeram por merecer.

  



Fomos-nos misturando com as pessoas... e fomos desenhando o percurso e as pessoas aqui e ali... já estávamos muito cansados e à medida que alguns se iam embora tiramos fotografias de grupo para não ficar ninguém de fora...


Este foi o meu último desenho, ao passar do andor... gostei muito da experiência e acabei exausta de tanto desenhar!

(Graph'it shake, Graph'it fine Liner, lápis de cor e aguarela)                                                                                                                                                               |«in situ»|

Verão


Com o Verão a acabar resolvemos explorar a ilha, andámos à cata das zonas balneares... também fomos até à Ribeira quente... a praia estava ótima.

(Graph'it shake, Graph'it fine Liner e lápis de cor)                                    

sexta-feira, setembro 09, 2016

17º Encontro USK PORTUGAL Açores | Santa Maria #05

Dia 28/ 08/ 2016 (noite)
Adeus Santa Maria | Regresso a São Miguel 

Depois de um grande fim de semana em Santa Maria chegou a hora do embarque... que pena não ficarmos mais uns dias mas, é assim. Fomos para a fila, deu tempo de desenhar o Paraguana I da Atlânticoline a sobrepor-se à panorâmica. Agora sim, consegui - a uma certa distância - apanhar a Vila do Porto a espreitando o porto em primeiro plano...


A viagem, para mim, foi boa e confortável mas infelizmente nem todas as pessoas conseguem suportar a ondulação e algumas ficaram indispostas e fizeram por adormecer... abreviando a «distância». Também houve quem adormecesse por exaustão...



O nosso encontro correu tão bem, ficámos inspirados e com boas ideias para futuros eventos. Os Marienses são recetivos e muito simpática foi a forma como fomos acolhidos no Clube atlético Os Marienses que proporcionaram uma belíssima estadia aos sketchers Micaelenses. Além disso a Camâra Municipal criou-nos as condições adequadas ao que nos propusemos fazer e com isso acedemos à magnífica e atual Biblioteca Municipal onde partilhámos o manifesto USK e semeámos o gosto pelo desenho em cadernos. Este encontro foi particular e iniciador de ciclos, se por um lado encontrámos novos sketchers e agregámos amigos antigos, por outro lado despedimo-nos, temporariamente, de alguns dos que iniciaram esta caminhada USk P Açores e que estão, atualmente, de partida, rumo ao ensino superior. Deles espera-se que não larguem o desenho onde quer que continuem a estudar. Encontrar-nos-emos certamente para desenhar um dia, aqui ou noutro lugar.





Ouviu-se o barco a apitar e sentiu-se a aproximação... pronto, chegámos!

Se é bom viajar, também é bom regressar a casa!!



(Graph'it shake, Graph'it fine Liner e lápis de cor)       

quarta-feira, setembro 07, 2016

17º Encontro USK PORTUGAL Açores | Santa Maria #04

Dia 28/ 08/ 2016 (tarde)
Praias de Santa Maria

Fomos de barco, mas levamos o carro e isso deu-nos maior liberdade de movimentos... como tarde de domingo ficou por nossa conta fomos almoçar ao bar aberto na baia de São Lourenço vislumbrando uma magnífica tarde de praia. No dia anterior não consegui dar um mergulho que fosse e prometi ao meu filho que iria aproveitar a tarde para dar uns mergulhinhos em família. A Baia de São Lourenço é linda e está classificada como reserva natural desde 1987, é mais um dos postais do arquipélago do Açores. A paisagem reveste-se de vinhedos que se aninham na encosta, dispersos em currais divididos ora por sebes vivas, ora por muros baixos de pedra basáltica, onde se produz o vinho de São Lourenço. Além da paisagem 






que é incrível a água tem uma temperatura muito superior  à das praias do país e deveria ser premiada pela falta de turbidez... apresenta ainda, uma vasta biodiversidade, sendo apreciada para o mergulho de observação.

A seguir demos um salto à praia Formosa e por lá nos deixámos ficar... encontrámos alguns elementos do grupo que fizeram um trilho (3 ou 4 horas a caminhar) e estavam deslumbrados com a paisagem e regressamos todos a Vila do Porto para embarcar rumo a São Miguel.

(cont.)

(Graph'it shake, Graph'it fine Liner, lápis de cor e aguarela)                                                                                                            |«in situ»|

terça-feira, setembro 06, 2016

17º Encontro USK PORTUGAL Açores | Santa Maria #03

Dia 28 /08 /2016
9:30 Forte de São Brás

«A constante ameaça dos Corsários (*) foi uma realidade que marcou profundamente a história de Santa Maria, entre os séculos XV e XVII. Desde o início do Povoamento, por volta de 1440, a ilha viveu em estado de vigilância e contínuo sobressalto face à possibilidade de incursões deste tipo, com tudo o que isso podia significar de mortes, destruição e pilhagem de fazendas. No seu extremo isolamento, os marienses vigiavam com cautela a vastidão do horizonte, os olhos postos no mar em que o avistamento de uma vela gerava sempre expectativa e tensão. A memória dramática de tais ataques está ainda hoje, muito viva no imaginário coletivo, fazendo parte da erança cultural e histórica da ilha. A construção do Forte de São Brás obedeceu ao propósito de defender Vila do porto de tão devastadores assaltos. A Fortaleza- erguida numa posição dominante que selava completamente a povoação a quem chegasse por mar - é um típico exemplo baluarte costeiro, com planta trapezoiodal adaptada à configuração do terreno e guarita implantada no vértice mais agudo. 
Construída durante o domínio castelhano filipino, no ínicio do século XVII, contribuiu decesivamente para resguardar o lado mais vulnerável da vila, exibindo um temível poder de fogo (catorze peças, à altura) que diissuadia qualquer tentativa de assalto frontal ao burgo.»

(Forte de São Brás de Vila do Porto: Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Rocha e Casa do Castelo)


Ao Olhar para o relógio é que percebi quanto tempo já tinha passado e segui - apressadamente - em direção à Câmara Municipal. Pelo caminho deparei-me com a Igreja Matriz também conhecida por Igreja de Nossa Senhora da Assunção, a padroeira de Vila do Porto. Data do ínicio do século XV, constituindo-se numa das igrejas mais antigas do arquipélago. Forcei a perspetiva para que o edíficio coubesse na página, ahhh... ficou muito aldrabado!!!















Já em contagem decrescente consegui que me dessem apenas cinco minutos (...) fixei-me numa estação via-sacra isto é, um dos Passos Processionais situado perto da Igreja Matriz. Os passos são oratórios (de rua) com retábulos alusivos à Paixão de Cristo.  Achei-os muito curiosos.



E terminámos (o encontro) em frente à Câmara com a partilha de cadernos e a foto de grupo...


                                                                              
e... ainda não acabou, a tarde ficou por conta de cada um e ainda temos o regresso no Paraguana I da Atlânticoline.


(*) Um corsário era um pirata formalmente autorizado pelo governo do seu país a pilhar outra nação...


(Graph'it shake, Graph'it fine Liner, lápis de cor e aguarela)                                                                                                               |«in situ»|